domingo, 10 de março de 2013


quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Coletor menstrual, já ouviu falar???

Quando li um comentário sobre isso confesso que estranhei mas depois de pensar eu realmente comecei a achar a ideia simpática e resolvi comprar junto com umas amigas. Não comprei pela economia nem pelo meio ambiente mas sim pelo conforto que eu achei que sentiria.




Os coletores são uns copinhos em formato de taça, são feitos de silicone, vc coloca como se fosse um tampax ou um ob só que ele fica mais na entrada da vagina e não no fundo como os absorventes internos.




O bom é a troca  é feita de 4 a 12 horas, dependendo do seu ciclo e  cada coletor dura cerca de 10 anos.
Quando recebi o meu  achei grande, até pensei que incomodaria pelo tamanho e pelo diâmetro. Mas deu tudo certo foi fácil de colocar e de retirar, eu não senti dificuldade alguma e troco ele durante o banho eu até cutucava a barriga tentando sentir mas era em vão. Confesso que as vezes eu esqueço que estou naqueles dias e e não troco no momento certo isso sim é ruim pois vaza geral... Mas tbm depois e 10 horas com ele, quem vai lembrar né...
Tem várias marcas e cores, o meu é o mooncup: 
O da minha irmã é o meluna rosinha :



O conforto é ótimo, nada daquela sensação de melada, de suja, nada de cheiro ruim, nada de incômodo entre as pernas, nada de alergia ou coceira. Mas nem tudo são flores, eu me arrependo de uma única coisa:

De não ter conhecido ele antes rsrsrs...

Quer revelar suas de fotos baratinho???


A Artscow é um site que esta dando promoções, vc terá direito a 150 revelações grátis por mês, pagando somente o frete.
Eu sempre recebo algumas promoções deles no meu site, confesso que é muito difícil resistir e já andei gastando alé do meu limite por lá... Acho que é assim que eles lucram.

Algumas pessoas tem medo de colocar fotos na internet, para essas pessoas aconselho a pesquisar no google sobre este site, afinal temos que desconfiar de tudo mesmo não é??? Eu pesquisei, vi pessoas falando somente coisas boas e não perdi tempo. Basta fazer o cadastro e pronto, o problema é que o site é em inglês mas para quem utiliza o google chrome para acessar a net não sentirá dificuldades alguma pois esse navegador traduz toda a página.
O site trabalha com fotos em geral, então vc pode fazer fronhas, baralhos, agenda, gravata, bolsa, estojo, porta cd, relógio, colar, toalha, tapete, mouse pad, prato e muitas outras coisas, tudo com fotos. Eu viciei e minha próxima aquisição será o foto livro que é uma forma muito original de guardar os momentos mais especiais da nossa vida.        



Não perca tempo, vá logo se cadastrar:clique aqui e cadastre-se



Essee são os meus produtos que chegaram, fronha, fotos e baralho, tudo personalizado rsrsr... êbaaaaaaa!!!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

O meu lindo parto normal natural e humanizado.

Depois de um relato terrível e assustador, como foi o do meu primeiro parto, decidi colocar o parto da Liz, minha segunda experiência para mostrar como um parto pode ser o oposto do outro.
Minha gestação foi tranquila e calma, tudo fluia bem e o fantasma do primeiro parto às vezes me rondava mas já estávamos decididos que seria parto normal e humanizado, dessa vez eu tinha me preparado bastante e sabia que tudo daria certo.
Com 35 semanas de gestação começaram as contrações, eram doloridas e intensas, minha médica só acreditou que era uma contração de verdade quando aconteceu uma na mão dela ela decidiu fazer o toque, e eu estava com 2 cms de dilatação. Precisei ficar internada e descobri que a causa era uma infecção urinária causada por uma bactéria resistente. 
Ela me liberou para ir passar o dia das mães em casa com meu filho, mas eu não poderia fazer esforço nenhum. Passou algumas injeções que não resolveram nada, depois passou mais injeções, dessa vez mais fortes e mais caras tbm...Estávamos tentando segurar minha filhota até as 37 semanas, quando havia menor probabilidade dela ir p/ a incubadora, minha doula veio conversar comigo no sábado e eu falei que aquele parto era o responsável por eu querer ou não mais filhos, disse tbm que  não queria anestesia pelo risco de um fórceps ou de perder a sensibilidade das pernas e ter que ir p/ a faca (cesária), e isso eu já vinha falando p/ meu esposo não deixar eu tomar e ele sempre concordava no fundo eu queria mesmo era comparar os dois parto, queria realmente ver se o tal sorinho fazia doer mais, como diziam ou se era mentira. Consegui segurar até as 37 semanas e 3 dias, quando eu realmente cansei de ficar de repouso de decidi fazer umas coisinhas que li nos fóruns de gravidez para ajudar a acelerar o TP. A noite essas coisinhas começaram a dar resultado (ou já era a hora mesmo hehehe...)
 Quase meia noite liguei para a médica dizendo que nem conseguia andar durante as contrações se não tivesse apoio para me ajudar ela ficou meio sem querer que eu fosse para o hospital , até que ela me mandou ir para a maternidade imediatamente, liguei para a Thayssa (minha doula)que já estava ciente de tudo pois eu estava trocando mensagem com ela o dia todo, colocando ela a par dos acontecimentos. 
Chegamos na maternidade antes dela, fizemos a ficha e fui para o quarto mas realmente eu ainda achava que não ia rolar e estava com medo de pagar um micão, alertando todo mundo e fazendo todos voltarem para casa... estava pensando onde enfiaria minha cara... mas isso não aconteceu... Ainda bem né...
Quando cheguei a enfermeira fez o toque, e eu ainda estava com 2 cms de dilatação, eu não acreditava, parecia tanta dor e a dilatação não havia aumentado... decidi subir e descer escadas pois havia lido que exercícios ajudavam e Thayssa tbm falou em uma conversa que escadas ajudavas a acelerar o TP, subia e descia, subia e descia e meu esposo lá, me segurando e apoiando, depois fomos caminhar pelo corredor, ia e vinha, ia e vinha até que entrei no quarto e fomos experimentar a bola... Ahhhhhhhh!!! 
                                        
A bola... eu sonhei em sentar nessa bolinha e rebolar em cima dela,mas não rolou... Não consegui... parecia que ela fazia as contrações ficarem mais fortes, mais dolorosas... Então começamos a conversar, e a cada contração eu parava e curtiaaaaaaa a dorr e a delicia de saber que meu bebê chegaria em breve, mas Thayssa, já acostumada com partos sabia quando elas estavam chegando, ela estava com um papelzinho, anotando os intervalos e quando elas começavam a surgir fraquinhas, fininhas e super discretas Thayssa já falava: “Mais uma agora né???”  E eu só fazia que sim com a cabeça e ela dava um sorrisinho e falava ”adorooooooo”, depois que elas foram se intensificando eu comecei a trocar de posições, inventava posições mas essas posições começaram a não fazer efeito e as contrações estavam vindo com tudo, decidi ir ao banheiro pois ainda não tinha feito o numero 2 nesse dia, e quando sentei no vaso,  que alívio eu senti... era uma posição boa, relaxante, confortável...Eu já havia lido relatos sobre isso mas não imaginava que fosse tão bom rsrsrs... Fiquei lá, fechei a porta e fui para a partolândia.
Na Partolândia fui a muitos lugares, e quando vinha a contração eu conversava com Deus e pedia para que essa passasse logo, para não doer tanto, para que eu suportasse bem... Ahhh mas tenho saudades da partolândia, falei besteiras, só não xinguei pq até lá controlei minha língua mas eu queria a anestesia, tentava manipular meu esposo, a minha doula, eu falava que ela sabia como doía pq no parto dela ela tomou, então ela tinha que me deixar tomar tbm!!! (KKK!!!KKK!!!) Falava p/ meu esposo que eu não ia aguentar que era p/ ele deixar eu tomar, eu dizia”Eu estou sofrendo muitooooooooo não me deixa sofrer assim por favoooooooooorrrr” mas ele estava firme e forte, não cedeu de forma alguma eu dizia “ eu falei que não queria mas que agora eu quero, é era sério” dizia que  eu estava arrependida... falava que ficava procurando essa besteira de parto humanizado e que agora estava arrependida da graça, não queria mais saber disso, queria cesária e pronto pq não ia mais doer. A Thayssa com toda a calma falava “Não vai doer agora, mas depois tu vai sofrer muito. Lembra que eu falei que quando agente pensa que não agüenta é pq ta pertinho??? Olha as contrações estão de 2 em 2 minutos, falta pouco” eu falava que não queria saber, que não me importava com nada... Cada besteira  que falamos nessas horas NE??? Eu não xingava eles de boca mas por dentro queria matar os dois.
Mas ai eu comecei a sentir vontade de fazer força, era uma vontade incontrolável eu sabia que eram os puxos, já havia lido sobre isso falei com Thayssa e sai do vaso, fui sentar na banqueta, ela olhou e viu que a Liz já estava saindo mas na verdade era a bolsa pois ela ainda estava íntegra, então ela  foi chamar a enfermeira que queria que eu fosse para a sala de parto, eu não topei, depois queria que eu deitasse na cama, eu não aceitei, nem pensar que eu ia deixar o colinho do meu esposo!!! Foi ai que Thayssa ligou para a doutora e ela falou que não era para ninguém me tirar de lá, a Thayssa vestiu as luvas e ficou esperando  a Liz nascer pois os puxos já estavam intensos, eu tentava soprar, tentava não fazer força para esperar a médica mas não adiantava, meu corpo tinha vontade própria e fazia força sozinho.  Derrepente a porta do quarto se abre e era drª Neila , ela chegou, vestiu as luvas, olhou, pegou e eu mandei ela tirar as mãos, depois foi pegar o material para me cortar,  eu falei que não era p/ ela me cortar. Ela não cortou, senti então o famoso círculo de fogo, tudo ia abrindo e ardendo e derrepente em um splash a Liz saiu super rápido no meio da água e ainda dentro da bolsa, eu nem acreditei que tudo já tinha acabado. 
Foi tão bom que eu pensei que não tinha lacerado, mas lacerou, ela costurou. Depois eu soube que a filha dela estava internada na emergência, por isso ela se atrasou, eu teria perdoado se ela não fosse, um filho internado no hospital é sério né...Tudo isso foi as 04:45 + - da manhã, as 9:00 eu já estava tomando banho sozinha, sem ajuda de ninguém.
Voltando para o parto: a Liz nasceu rápido, 4 minutos depois da médica chegar no quarto, por pouco minha doula não segura. Quando Liz nasceu ela estava dentro da bolsa, a médica retirou ela da bolsa e me deu,ela não chorou de imediato, demorou um pouco para ela perceber que tinha nascido  quando se tocou abriu o berreirão  eu e meu esposo ficamos lá, lambendo nossa cria enquanto o cordão pulsava e a médica esperava a pulsação parar para cortar o cordão, Thayssa lembrou que era para o pai cortar, ele cortou,o pediatra estava lá, a postos querendo levar ela de mim, mas a médica não deixou, disse: “Depois de um parto lindo desse vc quer levar ela da mãe??? Não vai levar, deixar a mãe curtir ela um pouco” Tentamos fazer a Liz mamar, ela chupou só um tiquinho e largou. E depois de nos conhecermos (rsrsrs...)
 o pediatra finalmente levou ela para os procedimentos hospitalares e eu fui fazer a sutura pois meu períneo lacerou um pouco. Fiquei um dia e meio no hospital e vim p/ casa, minha mãe ficou com muita raiva de mim pq eu não avisei ela, mas eu queria uma experiência única com meu esposo e consegui isso , hoje não me arrependo de não ter avisado pois tudo correu como eu pensei. No primeiro parto nem fui conhecer a partolândia pois ela não deixava, ficava falando, me chamando do transe o tempo todo, ela tbm brigou com todo mundo do hospital e esse era meu medo.
Quando cheguei em casa o bicho pegou... Não pela dor ou pela laceração mas sim pelo trauma do parto passado,eu chorava com medo de doer, medo de inflamar, 
medo de arrebentar os pontos, medo de acontecer tudo aquilo novamente... Foi horrível, mas meninas cicatrizou super bem e em 7 dias eu estava toda serelepe p/ lá e p/ cá, com 10 dias fui visitar uma amiga que teve cesária cerca de uns 20 dias antes, ela me olhava, parecia não acreditar que eu tinha acabado de parir.
Foi ótimoooooooooo!!! 
Sempre digo que o segundo parto seria decisivo para eu ter ou não mais 
filhos, joguei a responsabilidade p/ a Thayssa (como se ela fosse ser 
a culpada... Tadinhaaaa!!!)p/ resumir eu e meu esposo queremos mais
 
uns 3 filhotinhos ainda, amamos a experiência, a recuperação e tudo o
 
mais e tenho a certeza que no próximo parto os fantasmas do primeiro
 
parto não irão mais me perseguir. E só lacerou no segundo por causa do
 
corte que levei no primeiro, isso afetou a elasticidade da minha
 
musculatura.
 

E sobre a vida sexual... Bommmmmmmm estamos muito bem obrigada!!! Em 
uma reunião no ishtar surgiu esse assunto, e ele falou que estava tudo
 
muito bom, tudo normal e que havia somente 3 meses o parto.Confesso
 
que para mim esta até ,melhor.
 Oque aconteceu no meu primeiro parto foi só uma das coisas que podem 
acontecer no epsio, depois de muita pesquisas percebi que isso é mais
 
comum doque eu imaginava



Fiz um vídeo lindo que meu esposo ao ver  se derreteu em lágrimas ao ver e ao lembrar do dia do nascimento, as sensações voltaram e ficaram a flor da pele. Tudo foi lindo demais, gostoso demais e hoje vejo que tudo valeu muito a pena. Lutem pelos seus partos lutem pelo que vcs desejam e saibam que um parto com o marido partipando de tudo, de todos os momentos, de todas as contrações não tem preço. Hoje em dia ao se referir sobre o nascimento da Liz ele diz:“O nosso parto”.




Um parto super desumanizado.


Meu parto desumanizado.

Bom tive meu príncipe aos 20 anos, no Hospital da Aeronáutica e no dias dias mães dia 13/05/2001.
Quando foi 4:00 da manhã eu comecei a sentir uma cólica fininha, fui no banheiro e vi o tampão na minha calcinha então percebi que era a hora dele chegar, me depilei e fiquei sozinha curtindo a dorzinha, lembro de ter pensado : 
"poxa é por isso que as mulheres gritam tanto!!! Uma dorzinha dessas..."
Só que era apenas o início. Estávamos preparados para ir ao clube bater umas fotos e comemorar o dia mães quando eu falei que estava com dores então todos se animaram e começaram a correr pela casa gritando que o bebê ia nascer e eu sozinha curtindo a dor que ñ era mais tão pequena como no início.
Minha mãe ligou para a minha ginecologista e ela disse para eu ir ao hospital quando as contrações estivessem de 5 em 5 minutos. Nesse meio tempo minha mãe mandou eu fazer uma lavagem intestinal com um remédio que nem lembro o nome, ela disse que no hospital as enfermeiras são muito grosseiras, nos depilam com agressividade e ficam rindo da nossa cara, então preferi fazer tudo em casa quando deu o tempo indicado pela médica fui para o hospital, chegando lá uma outra médica me atendeu, eu nunca tinha visto ela na vida então me explicaram que ela havia sido transferida para Belém a pouco tempo, de cara minha mãe já disse que aquela doutora era isso e aquilo pq a médica havia dado umas respostas tortas para ela.
Eu já estava com 5 cm de dilatação e era mais ou menos 16:00, ela me encaminhou para uma sala onde iria estourar a minha bolsa para acelerar o trabalho, fui sozinha, me deitei em uma mesa, ela colocou uma pinça e estourou, eu ñ senti nada, só a água jorrando, a médica ainda ficou com raiva pq ela se molhou. Mas até ai tudo bem, a médica me deixou sozinha no quarto com minha mãe e sumiu, depois uma enfermeira chegou dizendo que iria aplicar um soro para aumentar a dor e acelerar o trabalho de parto para eu não sofrer tanto, fiquei desesperada pq a dor já era insuportável
Pedi um remédio para aliviar a dor pois já tinha lido algo sobre isso, mas a médica disse que ñ existia remédio para aliviar a dor do parto.
Isso já era umas 19:00 e eu tinha visto essa médica somente 3 vezes, ela me fazia visitas rápidas menos de 5 min. cada, isso pq eu era a única paciente do hospital em trabalho de parto, tinha uma outra moça internada lá mas depois eu conto pq.
Só sei que esse soro me fez gritar de tanta dor, parecia que eu ia morrer, eu só queria dormir e acordar quando tudo tivesse passado então a dor foi ficando mais fraca e as contrações foram se espaçando mais, minha mãe foi atras de alguma enfermeira ou alguém responsável e achou a médica deitada em uma sala, ela veio com "aquela cara" mas ñ fez nada, mandou uma enfermeira ir arrumar o soro.

Eu já estava com 5 cm de dilatação e era mais ou menos 16:00, ela me encaminhou para uma sala onde iria estourar a minha bolsa para acelerar o trabalho, fui sozinha, me deitei em uma mesa, ela colocou uma pinça e estourou, eu ñ senti nada, só a água jorrando, a médica ainda ficou com raiva pq ela se molhou. Mas até ai tudo bem, a médica me deixou sozinha no quarto com minha mãe e sumiu, depois uma enfermeira chegou dizendo que iria aplicar um soro para aumentar a dor e acelerar o trabalho de parto para eu não sofrer tanto, fiquei desesperada pq a dor já era insuportável
Pedi um remédio para aliviar a dor pois ja tinha lido algo sobre isso, mas a médica disse que ñ existia remédio para aliviar a dor do parto.
Isso já era umas 19:00 e eu tinha visto essa médica somente 3 vezes, ela me fazia visitas rápidas menos de 5 min. cada, isso pq eu era a única paciente do hospital em trabalho de parto, tinha uma outra moça internada lá mas depois eu conto pq.






Só sei que esse soro me fez gritar de tanta dor, parecia que eu ia morrer, eu só queria dormir e acordar quando tudo tivesse passado então a dor foi ficando mais fraca e as contrações foram se espaçando mais, minha mãe foi atraz de alguma enfermeira ou alguém responsável e achou a médica deitada em uma sala, ela veio com "aquela cara" mas ñ fez nada, mandou uma enfermeira ir arrumar o soro.

quando era umas 20:00 a médica apareceu de novo, verificou a dilatação, disse que faltava pouco, então me mandou fazer força, fiz. Quando estava pertinho ela mandou eu sentar em uma cadeira de rodas só que ñ consegui, eu tinha que levantar e sentar sozinha com aquela dor, foi horrível, minha mãe fez muita força para ñ me deixar cair, fomos para a sala de parto, a médica ñ deixou minha mãe ver nada nem deixou fotografar. Ela me mandava fazer força, falava que o bebê já estava vindo, eu queria morrer mas não conseguia. Só sei que na hora de uma forte contração ela me cortou, ñ senti nada na hora.






 O bebê nasceu, achei até que foi rápido , meu sofrimento tinha acabado (pensei), depois disso o Lucas foi levado para os primeiros cuidados e a médica deu uma anestesia no local do corte e ficou me costurando, eu sentia cada pontada, era insuportável, sofri muito mesmo. Minha mãe conseguiu abrir a porta e bater uma foto, ela disse que tinha muito lençol ensopado com o meu sangue.





Sentei em uma cadeira de rodas para ir para o quarto, ela ainda colocou os lençóis de sangue, enrrolados com um pano limpo no meu colo para a enfermeira que ia me deixar recolher depois,tenho até uma foto com a enfermeira me empurrando para o quarto e os lençóis no meu colo.
Bom, essa foi a parte boa do parto!!!







Quando cheguei no quarto dormi, pelo menos tentei ! Pois estava cansada e com dor, fui dispensada em 3 dias mas não conseguia andar sozinha, precisava de alguém me apoiando, estava muito fraca. Viemos para casa mas a médica disse para eu voltar lá em 7 dias para minha ginecologista verificar os pontos e deu a receita de um remédio para passar a dor, disse que era só isso mesmo, só uma caixa e mais nada, mandou lavar o corte com água e sabão e tudo estaria bem.
Quando fez dois dias a caixa do remédio acabou, então comecei a sofrer de verdade, ñ conseguia sentar de dor, imagine andar...Minha mãe falava que eu era muito mole, que estava fazendo doce e me mandava caminhar mesmo sem poder, eu ia me arrastando pelas paredes e chorando então pedir por favor para ela comprar outro remédio, foi então que me senti melhor um pouquinho mas ainda doia muito.
Quando deu 6 dias minha mãe pediu para ver os pontos e ficou muito aflita, ela viu que eu ñ estava fazendo corpo mole, os pontos cairam todos, estava tudo inflamado e com pus por isso tanta dor. Fomos na minha médica minha mãe falou que estava inflamado mas a médica disse que era assim mesmo, só que quando ela viu ficou indignada, me pediu para voltar lá com três dias que ela iria fazer uma cirurgia pois estava horrível, ela tinha que reparar o erro da outra pq se cicatrizasse assim ia ser pior, comecei a chorar e a ter crises de asma, minha mãe disse para fazer isso quando eu fosse fazer períneo mas a médica disse que ia ser pior se cicatrizasse aberto, isso se cicatrizasse né...
Ela passou uns remédios, um creme, um para fazer assento e outro para tomar, ñ lembro nenhum nome. Quando voltei lá depois de três dias para a tal cirurgia já fui chorando e com uma enorme falta de ar, quando deitei na mesa e abri as pernas minha médica ficou maravilhada pois havia fechado tudo como se os pontos nunca tivessem caido, foi um milagre, sei que meu amado Jesus me ajudou e fez isso para honra e glória Dele.Sem contar que tudo isso me deu uma bela depressão pós parto... 
Aquela outra moça que estava lá no hospital no dia do meu parto estava justamente pq essa médica fez o parto dela, uma cesáriana e os pontos também abriram, todos abriram, foi horrível, pior que o meu caso pq ela fez tudo denovo e sofreu muito, tadinha.
Quando ao períneo não precisei fazer, pratico pompoarismo oq ajuda muito em caso de parto normal e tudo vai muito bem obrigada!!!
Mas o medo fica né!!!
Se você quiser ver algumas imagens desse parto frank  "Clique aki".

terça-feira, 28 de julho de 2009

Neopets, parecido com o antigo Tamagochi só que atualizad.




Neopets é a nova sensação das crianças, um joguinho virtual que tem encantado crianças jovens e até mesmo adultos pela sua inocência e imitação da vida real.
Você começa criando um neopet para você, que na realidade acabará se tornando seu filho pois ele adoece, sente fome, estuda, brinca, luta, trabalha, faz turismo, conhece novos amigos, fadas, tem casa e loja para vender artigos entre outras coisas, ele tem que trabalhar para adquirir neopontos que é um dinheirinho do jogo, você tem que jogar os joguinhos do site para conseguir cada vez mais dinheiro.

O jogo tem uma linguagem própria e aos poucos a criança se acostuma e compreende tudo.

É um jogo seguro, sem violência, nada monótono e que eu aconselho para diverção e distração sadia de seu filho.
Nada sobre a vida real e particular de cada jogador pode ser comentado, caso isso aconteça a conta é congelada.

Você também pode adotar neopets no orfanato neopiano, que são os desprezados pelos primeiros donos.
Estes são alguns pets mas existem vários outros de formas e cores diferentes:



Alguns estão tritinhos poque eu tirei a imagem do ófanato, adote um você também!!!

quarta-feira, 15 de julho de 2009

A arte reborn

Imagine um boneco quase real, que só falta chorar!!!






Desde que vi uma reportagem com a Monique Urbanjo fiquei fascinada por essa técnica, nós mulheres e mães nunca deixamos nosso lado de menina de lado, a Monique faz bebês quase reais que são um verdadeiro mimo e um retorno a infância.


Toda vez que visito seu site(http://www.monickieurbanjos.com/) eu fico muito emocionada por Deus dar a ela esse dom tão lindo e o mais interessante são os depoimentos de mulheres que receberam o bebezinho e relatam como se fosse a chegada de um filho.

Vou postar algumas fotos que peguei do site dela:
















São ou não uma réplica perfeita de um bebê de verdade?

Caso você se interesse, saiba que não é barato, são caros, mas ela divide no cartão o que facilita bastante. Eu não tenho mas quando meus bebês crecerem com certeza pedirei a ela que faça bem parecido com eles, baseado nas fotos, só para matar a saudade!!!


Afinal a realização de um sonho não tem preço, como a vi falando na tv.